Estamos Ao Vivo
Estamos Ao Vivo
Grupo Pilau

Secretaria Municipal da Saúde alerta sobre a Leishmaniose

Publicada em 29/10/2022

  • Secretaria Municipal da Saúde alerta sobre a Leishmaniose

Diante da confirmação de casos de Leishmaniose no estado do RS, e considerando que ela se trata de uma doença infecciosa que afeta seres humanos e animais, com o potencial de provocar desde lesões na pele à infecções viscerais, que podem levar a morte, a Secretaria Municipal de Saúde faz um alerta à população neste sentido.

Segundo Tamara Lorenzon, da Vigilância Ambiental, a leishmaniose visceral canina (LVC) é uma antropozoonose causada pelo protozoário do gênero Leishmania spp. e transmitida pela picada do flebotomíneo (Lutzomyia longipalpis) conhecido como mosquito palha, onde o cão é o principal reservatório. O vetor contaminado pica o cão e posteriormente uma pessoa. Não há transmissão direta entre pessoas e pessoas e cães.

Ela explica que o animal infectado pode se encontrar clinicamente saudável por um longo período, mas permanece como reservatório da doença e com a capacidade de infectar o vetor e continuar com a disseminação do ciclo. Os sinais clínicos mais observados incluem lesões cutâneas tais como alopecia, descamação, hiperqueratose nasal, úlceras e hiperpigmentação, além de anorexia, emagrecimento progressivo, onicogrifose e alterações oftálmicas.

“No momento, nosso município não está infestado pelo mosquito”, diz Tamara.

O que fazer em casos suspeitos de LVC

O médico veterinário deve realizar coleta ou encaminhar o animal para exames sorológicos de diagnóstico laboratorial. A suspeita pode ocorrer tanto diante de um animal com sintomatologia compatível ou apenas por vínculo epidemiológico (animal ter frequentado áreas de risco ou ter sido importado de locais/cidades onde há ocorrência da doença). Ainda,  é necessário orientar o proprietário/tutor com relação à enfermidade,  especialmente sobre uso da coleira repelente, além de informar à Vigilância em Saúde do  município.

O que fazer em caso positivo de LVC

De acordo com a Profissional, o médico veterinário deve notificar compulsoriamente a Vigilância em Saúde do município para as providências cabíveis, conforme prevê a Portaria Ministerial/MS  nº 204/16, a Instrução Normativa do MAPA nº 50/2013 e a lista atual de enfermidades da  Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) em vigor. Outrossim, o veterinário, juntamente com  o proprietário/tutor têm três opções de medidas sanitárias: a eutanásia do animal positivo,  seguindo as normas e procedimentos da Resolução nº 1000 do CFMV, o contato com a  Vigilância em Saúde do município para orientação em relação ao encaminhamento do animal  para realização da eutanásia, assim como sua destinação, nas cidades onde exista esse serviço  ou ainda o tratamento de LVC, com medicamento regulamentado pelo MAPA.

Mais informações podem ser buscadas através do telefone 33243600 ou Whastapp 999660777.

Com informações da Prefeitura Municipal

Rádio Jornalismo - Rádio Cruz Alta

Grupo Pilau de Comunicações


Rádio Cruz Alta
CLARO
prumo condominios

Anuncie conosco


(55) 3322-7222

© 2019 Grupo Pilau. Todos os direitos reservados.
Portal produzido pela Netface