Estamos Ao Vivo
Estamos Ao Vivo
Grupo Pilau

Lixo espacial cruza o céu de Cruz Alta na noite da quinta-feira

Publicada em 25/08/2023

  • Lixo espacial cruz o céu de Cruz Alta na noite da quinta-feira

Uma luz cruzando o céu de Cruz Alta foi vista por vários cruz-altenses por volta das 23h40 da noite desta quinta-feira (24). Há relatos de uma forte luz no céu de cidades como Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Nova Santa Rita, Taquara, Lajeado, Capão da Canoa, Montenegro, Bento Gonçalves e Vacaria. Há também registros da passagem no céu de Criciúma (SC).

De acordo com o professor Carlos Fernando Jung, diretor da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon) na região sul e proprietário do observatório, a análise indica que se trata da reentrada de um corpo de foguete russo na atmosfera terrestre. O material é considerado lixo espacial.

Conforme explicação de Jung, o foguete em questão é o Soyus SL-4 R/B, lançado em 22 de agosto de 2023 no Cazaquistão. A parte que caiu é o estágio superior do foguete. 

Ainda de acordo com o especialista, a reentrada da estrutura na órbita terrestre estava prevista. A trajetória aproximada incluía a passagem desde a região do Uruguai, atravessando o Brasil até o Norte. 

Dados do observatório mostram que o corpo de foguete entrou na atmosfera terrestre às 23h39min53s e ficou até 23h41min31s — ou seja, mais de um minuto.

Ainda não se sabe onde foi o final da trajetória e se ele caiu. O observatório seguirá analisando.

— Nossa atmosfera apresenta uma resistência a esses objetos (que retornam), então eles entram num processo de queima, vamos dizer assim. A temperatura é tão elevada que começam a se deteriorar, perder as partes, se desmanchar — explicou Jung em entrevista à Rádio Gaúcha na madrugada desta sexta-feira (25).

No entanto, segundo o professor, toda reentrada pode ser "perigosa", pois há materiais que podem ser resistentes ao processo de deterioração na atmosfera.

Sobre o retorno de materiais ao solo terrestre, o especialista esclarece que foguetes costumam levar estruturas como satélites, por exemplo, ao espaço. As partes que não são mais necessárias, que não ficariam em uso, começam a perder altitude e entram em órbita na volta do planeta. A altitude pode diminuir até chegar a um ponto em que a estrutura pode atingir o solo, dependendo da resistência que apresentar durante a passagem pela atmosfera. 

— O risco sempre existe. Tem partes que são resistentes a esse processo, não se deterioram, não se fragmentam, inclusive, e caem no solo. 

Com informações - GaúchaZH

Imagens - Paulinho Barcelos

Rádio Jornalismo - Rádio Cruz Alta 

Grupo Pilau de Comunicações


Confira outras imagens

  • Lixo espacial cruz o céu de Cruz Alta na noite da quinta-feira
prumo condominios

Anuncie conosco


(55) 3322-7222

© 2019 Grupo Pilau. Todos os direitos reservados.
Portal produzido pela Netface