Estamos Ao Vivo
Estamos Ao Vivo
Grupo Pilau

PONTO CRÍTICO ENTREVISTA: Ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni

Publicada em 14/02/2022

  • PONTO CRÍTICO ENTREVISTA: Ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni

O Ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, concedeu entrevista ao Programa ‘Ponto Crítico’ da Rádio Cruz Alta para falar sobre o recorde de criação de emprego no ano de 2021, a mudança na prova de vida do INSS e também da sua saída do cargo de Ministro para concorrer ao Governo do Rio Grande do Sul.

A entrevista completa está na integra: 

P: Como está a situação de geração de emprego no país nesse ano de 2022. 

R: “Nós tivemos um número em 2021 que foi reflexo do que foi feito no governo em 2019/20, apesar da pandemia, apesar do irresponsável "fecha tudo, a economia a gente vê depois", praticada por muitos governadores e prefeitos”.

“Apesar de tudo isso, os programas que foram desenvolvidos pelo governo do Presidente Bolsonaro, como o Auxílio Emergencial em 2020, que eu tive a honra de coordenar no Ministério da Cidadania, conseguimos alcançar 68 milhões de pessoas. Também criamos o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, BEm 2021, que manteve mais de 11 milhões de vagas de carteira assinada. Em uma grande parceria entre os trabalhadores, os empregadores e o governo federal. E o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (PRONAMPE), aonde pela primeira vez, quase R$ 38 bilhões foram distribuídos às micro empresas do RS e do Brasil. Permitindo que as empresas pudessem sobreviver ao ano de 2020”.

“E na retomada em 2021, em um único ano foram 2.730.924 empregos de carteira assinada – recorde da última década”.

P: O senhor acredita que se o mundo não tivesse enfrentado a pandemia, os resultados seriam muito mais positivos no Governo Bolsonaro?

R: “No final do ano de 2019, eu era Ministro da Casa Civil, as projeções que nós tínhamos para 2020 eram espetaculares, até porque o programa de parceria para investimentos, reforma da previdência, com a redução de número de ministérios, com a digitalização do governo, e muitos outros. A expectativa era fechar o ano com R$ 450 bilhões de reais de investimento privados. Tanto que o pico desses investimentos se dará agora em 2023/2024, o Brasil vai virar um canteiro de obras e isso tudo é um trabalho feito em 2019”.

“Nesses últimos dias estive em dois estados da confederação, Santa Catarina e Paraná, levando o Programa de Serviço Civil Voluntário, que tem como função criar uma rampa de acesso entre os trabalhadores informais e o mercado formal. Temos 40 milhões de pessoas vivem em situação de informalidade no país, dos quais 7,8 milhões são do grupo chamado Nem Nem - os que nem estudam e nem trabalham – e que precisam de uma oportunidade”.

P: Como irá funcionar a novo jeito que será realizado a prova de vida dos beneficiários do INSS e como anda a situação da previdência?

R: “Está sendo desenvolvido, ao longo desse ano, o cruzamento de dados de todos os sistemas do governo, para que seja possível a partir de 2023 fazer a prova de vida com base nesses dados do sistema.  A movimentação do sistema se dá em retirar uma nova carteira de identidade, carteira de motorista, votar nas eleições ou fazer um empréstimo consignado, etc”.

“Caso haja irregularidades, os beneficiários serão notificados e obrigados a comprovarem que estão vivos. Está em debate também uma parceria com os Correios, para que seja feita a entrega da notificação. O que nos queremos é simplificar e evitar que o beneficiário do INSS tenha que sair de casa”.

“Com base na reforma que fizemos em 2019, hoje a previdência está equilibrada e tem previsão de se manter assim pela próxima década. Aliás, foi uma das razões que permitiu com que o Brasil pudesse fazer aqueles gastos em 2020, com os programas de auxílio e os bilhões destinados à saúde”.

P: Pré-candidatura ao Governo do Estado.

R: “Já conversei com o Presidente, no dia 22 de março irei fazer a filiação oficial ao Partido Liberal e será o lançamento a pré-candidatura ao Governo do Estado. Saio do Ministério do Trabalho em 31 de março e iremos para o Rio Grande do Sul, seguramente estarei ai no estúdio da Rádio Cruz alta para conversarmos sobre as propostas que temos para o presente e o futuro do Estado”.

“Sempre faço uma pergunta, por que a nossa gasolina é mais cara que em Santa Catarina? Por que o IPVA no RS é mais caro que o de Santa Catarina? O que Santa Catarina fez que os governos anteriores gaúchos não fizeram?”

“E o desafio de poder trazer segurança para vida dos gaúchos e poder fazer com que eles olhem para o futuro, sabendo que há futuro para suas famílias, seus filhos e para seus negócios. Isso vai ser um pouco do desafio que vamos enfrentar tenho certeza que com muita humildade, muito trabalho, muita fé e dedicação podemos sim fazer o Rio Grande voltar a ser um dos principais estados brasileiros e um daqueles Estados que mais propõem novos caminhos para o nosso país”.


Rádio Jornalismo – Rádio Cruz Alta

Grupo Pilau de Comunicações


UNINTER
NETFACE
prumo condominios

Anuncie conosco


(55) 3322-7222

© 2019 Grupo Pilau. Todos os direitos reservados.
Portal produzido pela Netface