Estamos Ao Vivo
Estamos Ao Vivo
Grupo Pilau

Pesquisa confirma que ostensório da Catedral é jesuíta de quase 300 anos

Publicada em 08/12/2020

  • Pesquisa confirma que ostensório da Catedral é jesuíta de quase 300 anos

Após uma pesquisa de 06 meses, foi confirmado que o ostensório/esplendor do Divino Espírito Santo, que está na Catedral Diocesana, trata-se de uma obra missioneira, arte jesuíta, e tem cerca de 300 anos. A confirmação, oficial, chegou no domingo, 06/12, junto a peça trazida pelo professor e pesquisador da PUC/RS, Edson Hüttner e seu orientando de doutorado, professor Cláudio Lopes Preza Júnior. O estudo da obra teve início no dia 14 de junho deste ano.

A peça, já de volta à Catedral, ficará exposta no local previamente preparado, durante a celebração de dedicação e bênção do altar, que será realizada no domingo, dia 13 de dezembro.

“Vi as fotos enviadas e percebi que poderia ser do período e da arte sacra Jesuítico-Guarani. Mas, para comprovar sua identidade, era necessário leva-lo para iniciar um longo estudo em Porto Alegre”, conta o professor Edson, que chefiou a pesquisa. Ele é responsável, também, pelo relatório que detalha as descobertas sobre a obra, que remonta a própria história da cidade.

Segundo ele, o esplendor/ostensório faz parte das peças das reduções jesuítas, com estimativa de 280 a 300 anos. “É uma peça da arte sacra barroca jesuítica do século XVII e XVIII. Temos alguns elementos importantes desta escultura, como os detalhes em policromia, que era uma técnica muito utilizada pelos jesuítas, em gesso, com cores amarela, azul e vermelha, q que é um aspecto muito importante da tradição da arte jesuítica. Outro aspecto são os cravos missioneiros, que se apresentam como uma das características marcantes das obras sacras missioneiras dos séculos XVI a XVIII”, explica.

Segundo o professor esta é uma peça muito rara, difícil de encontrar, visto que a quantidade de ostensório era bem menor que a de Santos feitos na época.

Em tempo de pandemia

Um detalhe bem importante, por estarmos em tempo de pandemia ocasionada pela COVID 19, foram buscadas alternativas tecnológicas apropriadas para proteger e preservar as esculturas sacras e pesquisadores contra a contaminação. Para esta prevenção, o grupo de Arte Sacra Jesuítico-Guarani e Luso-brasileiro da PUCR utilizou o aparelho de Luz Ultravioleta C (UV-C) Huttech Tower II com 2 lampadas UV-C. O aparelho foi desenvolvido pelo Dr. Eder Abreu Hüttner, Dentista e coordenador da Startup HUTTECH, sediada no Parque Tecnológico do TecnoPUCRS.

Este método de pesquisa e aplicação de tecnologias tem o objeto de descontaminação das esculturas sacra para que as mesas não sejam transmissoras da COVID 19 em seus espaços de preservação e exposição ao público.

As pesquisas no Brasil O professor Cláudio Lopes Preza Júnior, integrou a equipe e destaca a importância da pesquisa, diante cenário brasileiro. “Destaco a importância desta pesquisa, especialmente em um país que tem uma lamentável tradição de não respeitar o seu patrimônio histórico. É uma pesquisa de suma especialmente para esta comunidade, por tudo que ela pode significar, tanto no ponto de vista religioso quanto no ponto de vista social, econômico, cultural e histórico. Sinto-me honrado em ter colaborado com esta pesquisa. A comunidade de Cruz Alta está de parabéns”, destaca.

A descoberta

Dom Adelar Baruffi, Bispo Diocesano, conta que a descoberta aconteceu durante a reforma da catedral, apontada pelo arquiteto sacro Cristiano Fabris, responsável pela revitalização. “Ficamos muito empolgados quando o Cristiano nos falou da possibilidade de ser, esta, uma peça histórica. Mais alegres ficamos com a notícia recebida de que o esplendor do Divino Espírito Santo é, sim, uma obra jesuítica”, ressalta.

Catedral como um ponto turístico

O Pe. Márcio, pároco da Catedral, acredita que a peça irá contribuir com o turismo religioso. “Com certeza, para nós, é muito significativo ele estar aqui dentro, pois são anos de história e simboliza muito. Além disso, queremos que a nossa Catedral seja este espaço de oração e celebração, mas, também, ela está se tornando, além deste espaço litúrgico, olhado pela arte sacra, um local atrativo, alicerçando o turismo religioso na cidade”, lembra.

A exposição

A exposição do ostensório/esplendor do Divino Espírito Santo, peça histórica, inicia no dia 13 de dezembro, com banners explicativo. Após, retornará ao seu lugar, no altar mor da Catedral. Para os visitantes que desejarem, futuramente será disponibilizado um relatório da pesquisa.


Fonte: Assessora de Comunicação da Diocese de Cruz Alta

Confira outras imagens

  • Pesquisa confirma que ostensório da Catedral é jesuíta de quase 300 anos
UNINTER
TAVOLA ASSESSORIA IMOBILIARIA
ROSMER PALACE HOTEL

Anuncie conosco


(55) 3322-7222

© 2019 Grupo Pilau. Todos os direitos reservados.
Portal produzido pela Netface