Estamos Ao Vivo
Estamos Ao Vivo
Grupo Pilau

Homicídios têm queda e feminicídios aumentam em maio no RS

Publicada em 10/06/2022

  • Homicídios têm queda e feminicídios aumentam em maio no RS

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) divulgou nesta quinta-feira (9) os dados da criminalidade no Rio Grande do Sul referentes ao mês de maio. Os homicídios tiveram redução de 5,3% na comparação com o mesmo período do ano passado. Os latrocínios — que são roubos com morte —, por sua vez, apresentaram estabilidade. Houve, no entanto, um aumento de 42,9% no número de feminicídios, que são as mortes de mulheres por questões de gênero.

Os homicídios tiveram queda de 132 para 125 assassinatos em maio, o menor total para o mês desde 2007. Na Capital, os homicídios caíram pela metade (51,9%) na comparação com o mesmo período do ano passado, passando de 27 vítimas para 13 — é o número mais baixo para maio desde 2010.

Oito dos 23 municípios priorizados pelo programa RS Seguro, iniciativa do governo estadual para o combate ao crime, terminaram maio sem homicídios: Cachoeirinha, Capão da Canoa, Esteio, Guaíba, Ijuí, Lajeado, Sapucaia do Sul e Tramandaí. Em Cachoeirinha, esse foi o quarto mês consecutivo em que o indicador ficou zerado. Isso também ocorre em Guaíba desde março, e, nos últimos dois meses, em Esteio, Ijuí e Lajeado. Das 23 cidades do programa, 16 terminaram maio com queda ou estabilidade no número de assassinatos.

Em relação ao número de roubos com morte, o Estado repetiu o número do mesmo mês do ano passado — três casos, continuando como o menor total já registrado para o período em toda a série histórica, que teve início em 2002.

Entre os crimes contra a vida, maio evidenciou mais uma vez a dificuldade no combate aos feminicídios. O número de mulheres assassinadas em razão do gênero subiu de sete, em maio de 2021, para 10, neste ano — uma alta de 42,9%. Conforme a SSP, somente duas das 10 vítimas contavam com medida protetiva de urgência vigente. Todos os feminicídios foram cometidos pelo companheiro ou ex-companheiro. Em 80% dos casos, os agressores possuem algum antecedente policial — quatro foram presos e três cometeram suicídio.

Para as autoridades, o perfil dos envolvidos nas mortes de mulheres em contexto de gênero reforça a urgência do engajamento social para levar aos círculos de convivência familiar, de trabalho, de amizade e vizinhança a conscientização sobre a importância das denúncias de qualquer suspeita de abuso.

— Mais um mês verificamos os homicídios, os crimes violentos e letais, sendo reduzidos, indicadores que mostram diminuição constante — comenta o secretário da Segurança Pública, Vanius Cesar Santarosa. — Mas, infelizmente, neste mês de maio, percebemos um aumento nos feminicídios. Esse crime é muito difícil de ser combatido pelas forças do Estado. Mas para que o Estado possa atuar e reduzir esses indicadores há a necessidade de que as pessoas que estão sofrendo os maus-tratos façam essas informações chegar à segurança pública.

Nos demais indicadores de violência contra a mulher, os destaques em maio são a redução em 309 dos casos de ameaça frente ao mesmo mês do ano passado e o aumento das tentativas de feminicídio que, na mesma comparação, passaram de nove para 24 casos.

Crimes patrimoniais

Houve queda recorde na maioria dos crimes patrimoniais em maio na comparação com o mesmo período de 2021. As reduções mais expressivas ocorreram nos roubos a transporte coletivo e nos ataques a banco.

O número de ataques a banco (soma de furtos e roubos) teve uma retração de 40%, caindo de cinco para três. Já os roubos a transporte coletivo tiveram o menor número de ocorrências para o mês desde o início da contabilização mensal, em 2012  — em maio, foram 65 casos, frente a 79 no mesmo período do ano passado, uma redução de 17,7%.

Entre os roubos de veículos, houve pequena alta (5,2%) em maio, com 20 casos a mais na comparação com o mesmo mês de 2021, de 382 para 402 ocorrências. Na Capital, cidade com maior representatividade nesse indicador, concentrando quase metade de todas as ocorrências, os roubos ficaram praticamente estáveis, mantendo-se no menor nível para o mês desde que teve início a contagem por município, em 2012. Foram 153 casos, dois a menos do que em maio de 2021, representando uma redução de 1,3%.

Outro crime que apresentou redução recorde foi o abigeato, furto de gado. O número caiu 28,4%, de 472 casos em maio de 2021 para 338 neste ano. A marca é a menor da série histórica.


Com informações - GZH

Rádio Jornalismo - Rádio Cruz Alta 

Grupo Pilau de Comunicações

ROSMER PALACE HOTEL
Eduardo Amaro Pilau
NETFACE

Anuncie conosco


(55) 3322-7222

© 2019 Grupo Pilau. Todos os direitos reservados.
Portal produzido pela Netface